Top 10 pérolas do Grindcore atual!

A tarefa de reunir dez grandes nomes da cena Grindcore contemporânea não foi fácil. A lista contém grupos distribuídos das vertentes tradicionais até as mais experimentadas. Confira abaixo quem são os nomes mais promissores do estilo!

10º - Deus Castiga




Formada por experientes músicos cariocas, o Deus Castiga atende perfeitamente o slogan do Scream Blog Gore. A barulheira que esses caras fazem é ensurdecedora! Grindcore de responsa, bem raiz. Sem inventar moda, o Deus Castiga segue os moldes clássicos do estilo: músicas diretas e curtas, gritaria nos vocais, blast beats e riffs rápidos. When Paranoia Comes (EP lançado recentemente) e I’m Alive Fucking Dead podem ser conferidos gratuitamente nos endereços da banda.




Grooveshark


9º - Dead In The Dirt



Representando a vertente mais raiz do Grindcore, os americanos do Dead In The Dirt apostam em velocidade e em vocais gritados. O resultado é uma ópera de barulho extremamente direta, que chega a lembrar o Agathocles em alguns momentos! A intensidade do som é de longe o que chama mais atenção. Além dos temas líricos, que giram em torno de discussões atuais, como o vegetarianismo, o “straight edge” (ideologia Punk/Hardcore oitentista, que pode ser conferida aqui) e a intolerância dogmática.




Grooveshark


8º - Primate


O Primate é mais do que uma simples banda de Grindcore. Aliás, esse é o único exemplo do ranking onde o Grind fica em segundo plano. Formado pelos excepcionais Kevin Sharp (Brutal Truth), Bill Kelliher (Mastodon) e Evan Bartleson/Dave Witwoth/Shayne Huff (The Despised) o Primate engloba elementos do Punk e Hardcore (nos vocais, ritmo e riffs) e apresenta alguns flertes tênues com o Grindcore propriamente dito. Faixas como Get The Fuck Of My Law exemplificam a mistura entre as três vertentes. Draw Back A Stump de 2012 é o único registro lançado.


Bandcamp

7º - Modus Delicti


Mesmo misturando Grindcore com Brutal Death Metal, o Modus Delicti consegue soar introspectivo. O trio italiano, que infelizmente encerrou as atividades em 2012 conseguiu intercalar uma estrutura de riffs pesados, introduções melancólicas e blast beats . Tudo isso é amparado pelos urros insanos de um vocal agonizante. O destaque fica por conta do ritmo, alterado diversas vezes durante a mesma canção, livrando o ouvinte da repetição. “Nobody”, full-lenght lançado em 2011 reúne todos os elementos acima citados.


Grooveshark

6º - Ultimo Mondo Cannibale


Os italianos do Ultimo Mondo Canibale  praticam um GoreGrind tradicional, irreverente. O nome deriva do filme produzido pelo cineasta italiano Ruggero Deodato (confira aqui) e a proposta parece ser bastante influenciada pelo estilo gore da película. Vocais ininteligíveis (o tão odiado pig squeal) concatenados com riffs grudentos dão dinâmica para os splits e os dois full-lenghts lançados pela banda. “Drink My Milk”, de 2011, merece atenção.


MySpace

5° - Lake Of Silent Terror


Grindcore com vocal feminino?  Pode sim! E o resultado é incrível. Em dois registros (Narration of A Shadow e The Truth Underneath) lançados em 2011/2012 os russos do LOST conseguiram concretizar uma façanha aparentemente impossível: fazer Grindcore com uma mulher cantando! Para orgulho das feministas de plantão, Natalia Kharlamova representa mesmo! Ela roubou todas as atenções, mesmo com o instrumental que flerta com o Death Metal Industrial ser extremamente competente. A alternância entre os vocais límpidos e insinuantes da moça, com um gutural de encher os ouvidos é sensacional! Outra prova de que experimentar é o caminho.


MySpace

4º - Dephosphorus


Astrogrind. É assim que os gregos do Dephosphorus costumam rotular a si próprios. Astronomia e temas esotéricos rondam constantemente as letras da banda e também as artes de capa (que merecem uma olhadela com atenção!). O som é magnífico, como o rótulo acima citado sugere.  A receita é a seguinte: coloque numa panela fervente os riffs característicos do Black Metal (que no caso do Dephosphorus remeteram-me ao Mayhem atual), guturais absolutamente Grindcore/Hardcore e a pegada de power trios do Death Metal. Pronto! Delicie-se com os três full-lenghts lançados até aqui. E depois da refeição quebre os pratos, pois na Grécia isso é sinônimo de satisfação!


Grooveshark

3º - Khann


O Khann é um grupo misterioso (existem poucas informações disponíveis sobre os caras) que executa um Hardcore/Grindcore experimentado. O trunfo dos companheiros é conseguir reunir a pegada incansável do Hardcore, um vocal gritado que flerta com o Screamo mas não abandona o Grindcore e belos prelúdios/interlúdios. Faixas como Implosion ressaltam a importância de não se prender à paradigmas de qualquer cartilha. É isso que estilos mais extremos como o Grindcore precisam: liberdade para experimentações! Erode, lançado em 2011 é um excelente registro.


Bandcamp

2º - A Million Dead Birds Laughing


O A Million Dead Birds Laughing tornou-se um dos maiores sinônimos de inovação quando o assunto é Grindcore. Extremamente técnicos, os australianos não perdoam nas experimentações. O produto final é simplesmente genial. Dois vocais (um gritado e outro limpo) são margeados por um instrumental simplesmente impecável. Cada nota é sinérgica à cada grito. Tudo no AMDBL é consoante. Qualquer um dos três discos da breve e regularíssima discografia da banda é indicado.


Grooveshark

1º - Test


Os paulistanos do Test merecem um pouco mais da minha já atabalhoada atenção neste final de ranking. Conheci o som desses caras numa antiga comunidade do Orkut. O vídeo em questão era a execução da música “Ele Morreu Sem Saber O Porquê” em frente à uma fila de show. Me impressionei logo de cara com a violência do som. As letras ácidas e a fúria que contagiou a todos os presentes era assustadora. Logo em seguida, fui procurar informações mais precisas. Baixei tudo o que encontrei (dois EP’s e uma demo) e vi/ouvi “Árabe Macabre” ser lançado em 2012. Até hoje me questiono: o que faz do Test tão impressionante? Depois de alguns meses pensando, concluí que só pode ser a simplicidade. A bateria precisa de Barata e a guitarra grave/vocal urrado de João Kombi (sim, é só isso!) são absurdamente consoantes. Além disso, a versatilidade alcançada pelos dois humildes instrumentistas merece destaque. O baixo nem faz falta. E é tudo em português. O Test é definitivamente uma das melhores coisas que aconteceu no Grindcore da última década!


MySpace


Por Éber Deina
Top 10 pérolas do Grindcore atual! Top 10 pérolas do Grindcore atual! Reviewed by Éber Deina on 21:04 Rating: 5

6 comentários

  1. para mim o melhor disco de grind moderno é este do Arsonists nem tá na lista https://www.youtube.com/watch?v=2yTqz3heMqM&index=6...

    ResponderExcluir
  2. Não concordo com a lista, primeiro de tudo musica não é uma competição então não deveria ser rankeado como foi, e o TEST é uma fudida banda, mas os caras no palco é zuado, não olha pra ninguem, não fala nada, e toca de costas, eu vi e achei escroto.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelos comentários, pessoal!

    O objetivo não foi promover uma competição, porque cada banda tem o seu valor. Todas essas bandas merecem respeito equivalente. Abraço e obrigado pelas opiniões construtivas!

    Keep Grind!

    ResponderExcluir
  4. Vou ouvir as bandas com mais calma depois e deixo aqui uma recomendação também: Comity!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. O Ultimo Mondo Cannibale não usa Pig Squeal, e sim Gutural com efeitos pitch :v
    Fora isso, a lista é boa.

    ResponderExcluir

Social Buttons